Confabulando: Mercado Editorial 2 - Editoração

8 comments


Mercado Editorial

   Olá Pessoal!

   Para ver o post anterior  clique abaixo

   Criação

  


   Ao longo do post, vocês lerão comentários de um dos nossos parceiros, o escritório de serviços editoriais  Novinsky Guinsburg.

   Muito obrigada pela participação de vocês!

   Vamos Lá!
 Editoração


   Editoração é processo pelo qual se dá a transformação de um conteúdo em seu estado bruto, até então só imaginado na cabeça do criador ou pré-concebido, para um estado lapidado. É produzir um texto original adaptando-o para suas bases mais adequadas como: livros, revistas, cadernos, almanaques ou CDs, e-books, DVDs (nos casos do formato eletrônico/digital), entre outros, visando o aprimoramento gramatical e o aperfeiçoamento da obra em si para que, no processo final, seja direcionado para o nicho de mercado que melhor atenda as suas necessidades.
   Todo esse processo é feito através de uma equipe qualificada de editores, produtorestradutores, preparadores, revisores, diagramadores, designers, capistas, enfim. Há uma infinidade de profissionais para que o projeto final esteja pronto e adequado para estar no mercado.

 Editor



   A função do editor não é tão restrita à simples (não tão simples) escolha ou descarte de um original. O editor tem sim a função de ler, em primeira mão, os projetos apresentados à editora para a qual presta serviços, mas seu papel vai muito além. Geralmente, ele coordena e acompanha toda a jornada pela qual a obra passa, desde a avaliação inicial (direcionamento específico, críticas, visão unilateral, enfoque para tema central, etc.) até a integração no mercado, dando suporte aos outros profissionais e, muitas vezes, respondendo pela obra final.  


 Tradutor


No caso de uma obra internacional, o tradutor deve passar a obra para o idioma falado em seu território (no nosso caso, o português) deixando a tradução o mais literal possível, respeitando o estilo e estrutura tem a essência do autor, mas que também seja inteligível para o leitor.

 Preparador e Revisor



 Preparador:
   Revisar um livro não é uma tarefa fácil. É preciso que esta tarefa seja separada em etapas para que o foco não seja perdido e o texto final esteja apto e livre de todos os tipos de erros dos mais básicos aos mais invisíveis. É aí que ele entra...
   A primeira leitura integral do texto é feita pelo preparador e seria também a primeira revisão. Nela, o preparador faz uma "limpeza" mais profunda, analisando erros gramaticais mais grosseiros, confere a separação de capítulos; confere os subtítulos; verifica se a continuidade do texto (ou história) está correta e com sentido (coerente); coloca travessões quando o autor não sabe fazer travessões; confere a paragrafação; confere a numeração de páginas etc. Deixando o texto preparado para diagramação e para uma revisão mais apurada. Como um suco, cheio de bagaço, aonde a peneira com buracos mais grossos coe o texto deixando quase pronto para a peneira mais fininha deixar ele claro e limpo.

 Revisor:
   Aquele cujo melhor amigo é o dicionário.
   Como dito anteriormente, revisar é um trabalho árduo que exige muito mais do que uma boa formação no currículo. Dominar a língua portuguesa, escrever bem, ter noção de regras gramaticais e ortográficas, colocação verbal são regras básicas para um bom revisor, mas, como muitos dizem, seu trabalho vai muito além das coisas que o corretor do Word faz. É preciso um olhar desprendido e, ao mesmo tempo,  metódico e minucioso no texto, mas como isso?
  O revisor não deve se atentar a detalhes de criação imaginativa do autor, mas deve adequá-los ao contexto no qual esses detalhes foram inseridos analisando se há divergências de ideias, se as bases estão bem construídas, frases duplicadas, etc. Deixando o texto apto para a diagramação.


 Diagramadores e Capistas

 Diagramadores:

   Os diagramadores são responsáveis pela paginação. É preciso um olhar atento para distribuir elementos gráficos na página para que haja uma harmonização da ideia central  do autor com a temática e a versatilidade da editora. Vários elementos devem ser levados em conta como organizar as informações e padronizar os elementos gráficos e tipológicos (a escolha de fontes em tamanhos adequados, cores, imagens e tipos de papel) que compõe a obra. 

 Capistas:

Não julgue um livro pela capa!

    Não! Julgar a gente não julga, pois não significa que a capa mal feita de um livro denomina o trabalho do escritor como o contrário também não acontece, porém comprar é outra história. O produto final que está na prateleira das livrarias é, os escritores gostando ou não, um produto e nós como consumidores somos atraídos pelo sentido que reage primeiro, a visão. Não podemos negar que uma "embalagem" bonita chama mais atenção e, se não conhecemos o conteúdo, somos atraídos quase que como um imã para ela. Não é via de regra, mas uma imagem que consegue substituir perfeitamente as palavras fala sem dizer para os leitores que eles necessitam saber mais sobre seu trabalho.

   Dessa forma, o trabalho dos capistas também não é fácil. A capa de um livro não consiste apenas em uma imagem com um título. É preciso, para começar, uma pesquisa aprofundada do tema tratado na obra para que esta gere as primeiras ideias. Depois de a ideia pré-concebida, é preciso vários testes de paletas de cores, iluminações, tipologias, etc. Enfim, uma infinidade de cuidados para que a obra final tenha em uma única imagem o mesmo efeito surpreendente que o leitor vai captar em mais de 200 páginas de história.


 Dicas do escritório Novinsky Guinsburg / Serviços Editoriais

http://www.ngservicoseditoriais.com/

   Dicas importantes para autoras e autores que pretendem ingressar no mercado editorial:

♥ Muitas editoras não aceitam originais que não foram revisados. O material que não foi revisado é imediatamente descartado.

♥ Dificilmente uma única revisora (revisor) conseguirá realizar o trabalho de deixar o seu livro perfeito com apenas uma etapa de revisão. Principalmente quando o livro não passou sequer por nenhum profissional de preparação de texto.



   Qual a diferença entre um livro que passa pelo processo de editoração e um livro que é lançado de forma independente, sem tanto suporte?

  O livro que passou pelo processo de editoração dentro de uma editora recebeu os cuidados de profissionais, começando pelo editor que selecionou a obra. O editor (a) que selecionou a obra realizou uma leitura crítica do original, levantou todos os aspectos negativos e defeitos e em seguida fez sugestões para o autor ou autora eliminar e corrigir os pontos que ele apontou. E mesmo com os defeitos e alguns aspectos negativos o profissional entendeu que valia a pena investir, com certeza ele encontrou na obra algo que lhe interessou e que com certeza trará retorno, lucro para a editora, pois livro é um negócio. Muitas vezes, os amantes dos livros, leitores, escritores sonhadores, se esquecem de que o livro é um produto comercial que precisa ser vendido, precisa vender para dar lucro para a editora que investiu nele. 
   Depois dos ajustes do autor ou autora, o livro voltou para o editor (a) que leu e releu e depois entregou o original a uma preparadora (o) profissional que fez novos ajustes apontados pelo editor (a) e fez os seus próprios ajustes e correções em e de detalhes que passaram despercebidos pelo editor (a). A preparadora (o) também fez sugestões para melhorar frases, trechos, substituir palavras, expressões. Ou seja, foram editor (a), preparadora (o) aperfeiçoando, melhorando, refinando o que era bom, mas não estava polido. Após a preparadora (o) profissional o livro foi entregue para uma revisora profissional que retirou todos os erros que encontrou, desde aquela vírgula que confunde o sentido da frase na hora da leitura até a falta de ponto final, acentuação nas palavras, corrigindo palavras escritas de forma totalmente incorreta e que fere os olhos de quem lê. A revisora também   melhorou as frases, excluiu uma e outra palavra, eliminou os vícios de linguagem escolhendo expressões com o mesmo significado. Isto tudo implica num livro cuidado, tratado, polido, refinado.
   Após estas etapas o livro publicado pela editora foi para as mãos do diagramador e do capista. Aí a capa está de acordo com o gosto da autora (o), as páginas foram enquadradas e ajustadas de acordo com o padrão da editora e após isto o original foi encaminhado para a gráfica. Então, lendo este passo a passo podemos ver que um livro que recebe este tratamento no processo de edição dentro de uma editora terá qualidade. E um livro com qualidade pode ter trechos, partes, frases, divulgados em blogs, redes sociais, sites, sem o medo e risco de ser criticado e de constranger a autora/autor, muito pelo contrário, pronto para receber elogios e ser imitado. Um livro de qualidade implica em respeito e credibilidade para quem o escreveu e para quem o publicou. Fica livre de críticas ferrenhas que podem derrubar e arruinar a reputação e imagem de uma escritora/escritor. Fica livre dos comentários desagradáveis de leitores maldosos que gostam de enxergar apenas os defeitos naquilo que é de outra pessoa/escritor. Fica livre dos riscos de servir como exemplo do que “não deve ser feito”. Fica livre dos riscos de servir como piada, como “meme” em sites, redes sociais. Ganha admiradores, fãs, além de leitores.
   Acredite, os leitores sabem quais autores capricham em seus livros e daí se apaixonam pelos livros destes autores (as). E livro ruim, difícil de ler, não vende. E no mercado o volume de novos autores e traduções é tão grande, são tantas opções para leitura oferecidas aos leitores e tantos super-heróis e HQs, e livros para pintar, que um livro ruim, sem qualidade não tem chance de agradar. Se é lido, é imediatamente comparado a este ou aquele e encalha.
   A qualidade do livro é tão importante que atualmente muitas editoras se recusam a receber livros que não passaram por revisão de texto, descartam os não revisados.
   Deste modo um livro que recebe todo este cuidado, todo este tratamento dentro de uma editora será um livro com maior qualidade que um livro que não recebeu nenhum cuidado ou tratamento. Mas atenção! Todo este processo pode ser realizado fora de uma editora. A autora ou autor independente pode contratar uma/um profissional para realizar a leitura crítica onde serão apontados os erros, falhas e pontos fracos do original. Além disso, ele pode solicitar para a/o profissional que realiza a leitura crítica que esta/este faça sugestões para melhorar as falhas e pontos fracos. A autora ou autor também pode contratar uma preparadora de texto, depois uma revisora que além de revisão pode fazer copidesque e ainda aplicar todas as sugestões que a profissional da leitura crítica fez; depois basta contratar uma diagramadora e uma capista. Após isto basta enviar para uma gráfica de confiança, séria e imprimir quantos exemplares quiser de seu original.
  Porém, existe outras diferenças entre um livro que é publicado por uma editora e um livro que é publicado de forma independente. Elas estão na divulgação e no marketing que acarretarão no reconhecimento da autora/autor pelo público e consequentemente a venda e o lucro sobre o original. Sem divulgação um livro não fica conhecido. E sem ser visto um livro não é vendido. Divulgação e venda são tarefas difíceis para uma única pessoa (a autora/autor independente), enquanto que a editora conta com uma equipe profissionais de marketing, de divulgação, de propaganda, de vendas. E a editora tem parcerias com livrarias e mais livrarias onde disponibiliza os livros para venda, enquanto a autora/autor independente disponibiliza seu livro em sua página no facebook, no twitter e não tem experiência alguma com vendas. A própria autora/autor é quem recebe o livro da gráfica, faz o embrulho, leva os pacotes para o correio, tudo sozinha. Esta atividade solitária pode levar a escritora/escritor a desistir da carreira de escritora (or).
  Mas... existe a possibilidade de não agir sozinha (o) como autor independente. Existem no mercado editorial várias (os) profissionais competentes e capazes de auxiliar qualquer autora (o) neste processo de edição, de marketing, divulgação e vendas. E quem quer publicar precisa ter em mente que terá que desembolsar determinado valor. E para que não tenha decepções, para que não tenha surpresas desagradáveis e não fique frustrada (o), a sugestão é para que faça um orçamento de todos os serviços que precisa para publicar seu livro. Faça os cálculos e saiba de quanto você dispõe para investir em seu projeto de publicar. Veja quais são os profissionais que parcelam o pagamento. Faça um contrato para cada serviço para poder controlar e comprovar que contratou tal serviço e investiu em seu livro. Assim, você poderá mostrar no seu livro quem foi o profissional que trabalhou no seu original, valorizando o seu livro. E por fim a Amazon, o Clube de Autores e outras plataformas de autopublicação podem ser opções para quem não pode pagar pela diagramação, já que oferecem a formatação padrão deles.
  Concluindo: As diferenças entre livros editados dentro de uma editora e livros editados fora de editoras podem desaparecer com a contratação de profissionais particulares. Mas as diferenças entre um livro editado dentro de uma editora e um livro editado apenas pela autora (o) sem a colaboração de profissionais, estas diferenças são gritantes e os livros nem poderão ser comparados. O livro editado dentro de editora terá sempre mais qualidade e chances de dar lucro, de ser vendido, admirado e de agradar ao público.

 Cirlene Doretto – Escritório Novinsky Guinsburg Serviços Editoriais




Assista ao vídeo fofo feito para mostrar às crianças Como é feito um livro - Mirna Gleich



   Agora, depois de mais alguns ajustes, seu livro estará pronto para a publicação.

   Pronto! Acabou.

   Não?

   Não. Esse é só o começo para um livro se tornar um sucesso no mercado editorial, mas isso fica para o nosso próximo post :)


Espero que tenham gostado e não percam a continuação.
Mil Beijos,
Juliana Lima.




Próximo Postagem mais recente Post AnteriorPostagem mais antiga
Página inicial

8 comentários:

  1. Quem disse que publicar um livro é fácil? Eu adoraria trabalhar em uma editora. Deve ser uma loucura, mas também muito gostoso. Ainda quero ter meus livros publicados e encontrei dicas interessantes aqui.
    Beijos

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Lary, publicar um livro é mais cheio de detalhes do que a gente imagina quando vê um exemplar na livraria :)
      Obrigada pelo comentário e desejo todo o sucesso do mundo para você.
      Beijos

      Excluir
  2. Menina, tanto "trabalho" pra publicar um livro. Por isso que alguns saem um tanto quanto caros.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção seis anos de Caverna Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Luiza :)
      Se a diagramação for bem feita, se o livro tiver muitos caracteres e se a editora for pequena, essas e mais coisas encarecem os livros.
      O autores nacionais são guerreiros :)
      Beijos

      Excluir
  3. Olá, tudo bem?
    E olha que pensamos que a parte difícil é terminar de escrever o livro,hahaha.
    Muito explicativo o post, adorei!
    Beijos!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Esther. Escrever um livro é só o começo rs, depois vem a parte mais complicada :)
      Beijos

      Excluir
  4. Oi Juliana, sua linda, tudo bem?
    Antes de mais nada, parabéns pelo post. Achei muito generoso da sua parte trazer essa gama de informações, com certeza valiosas para o autor que quer entrar no mercado. Nós sabemos da dificuldade de um autor nacional ter um livro publicado e do custo que isso tem. Agora eu descobri o motivo. Eu sabia que existia uma equipe de profissionais necessário para que um livro fosse publicado, mas é muito mais do que imaginei. A postagem ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cila :)
      Muito obrigada pelo comentário.
      Sim, por isso que, infelizmente, o autor nacional ganha muito pouco de direitos autorais em cima da sua própria criação e o mais injusto ainda é que, aproximadamente, 50% desses direitos ficam com quem menos trabalha: as livrarias.
      Ser escritor no Brasil é um ato de amor pela profissão :)
      Beijos.

      Excluir