Vim perguntar o que faço de mim - Francine S. C. Camargo e Flávio Luengo Gimenez

3 comments


Título: Vim Perguntar o que faço de mim.
Autora: Francine S. C. Camargo e Flávio Luengo Gimenez
Editora: Amazon
Páginas:  22
Ano: 2016.


Sinopse: “– Então, diga-me, eu lhe suplico, como pode interceder por mim? Como pode me alforriar desse corpo? Como pode me deixar fluir?”

De um lado, Dr. Eugênio, um médico generalista inflexível e sagaz, no auge da carreira, segue sua rotina ocultando suas desilusões por detrás de atendimentos vazios e ostentação em demasia. Do outro, uma garota clandestina, Olívia, procura sua libertação e, diligentemente, incumbe ao Dr. Eugênio que a faça descobrir o que fazer de si mesma. Diante desse encontro, será irrevogável a reinvenção de ambos os personagens, após momentos muito particulares de catarse.

Vim perguntar o que faço de mim é um conto criado por dois médicos, um Clínico Geral e uma Pediatra, dois observadores da vida e que assumiram, também como profissão, o encantamento pela escrita. O encontro entre médico e paciente foi delimitado através de longos diálogos virtuais, de maneira que, assim como na história, os sobressaltos dos personagens fossem totalmente secretos até as últimas palavras.

   Vim perguntar o que faço de mim não é só um conto com ênfase em um médico escrito por dois médicos. Este é um conto que fala de um personagem que abandona a casca da frieza e da imponência, ironicamente, por seu maior exemplo de fraqueza.

   Quando nós, pacientes, vamos ao médico,  já nos sentimos automaticamente na posição de fracos e expostos, pois ainda que seja só uma consulta de rotina, o fato de estarmos sob avaliação já nos causa certo desconforto, mas neste conto acontece algo diferente.
   Eugênio é um médico vaidoso, rodeado de atenção e admiração. Olivia é uma paciente comum, frágil e propensa a depressão.
   Em mais uma consulta de rotina, os destinos se cruzam e Eugênio se depara com uma pergunta que lhe rouba a imponência.

  - Doutor, vim perguntar o que faço de mim?

   Sem perspectivas, autoestima ou coragem Olivia recorre àquele que tem por formação saber o que fazer da vida. Sem saída, frases prontas ou cartilha Eugênio chega à fase da carreira em que se depara com o extraordinário, aquilo que foge a rotina e percebe com o passar do pequeno espaço de tempo que terá que dar uma resposta decisiva.

   Entendi o conto como uma metáfora para a vida.
  Somos seres diferentes e por maiores, mais bem-sucedidos ou capacitados que sejamos, também temos nossas dúvidas, questionamentos e nossas falhas, mas principalmente sempre teremos o que aprender. Por outro lado, por mais fracos que sejamos, por mais que não tenhamos coragem, uma hora temos que encarar a vida de frente, pois ela nos cobra a todo instante uma atitude e a falta de perspectivas se torna insustentável. Nesses momentos, o que devemos fazer da gente?

   Seguir o caminho que somente nos mesmos podemos enxergar.




Os Autores:


*Clique na imagem e conheça mais sobre Francine e Flávio:

https://www.facebook.com/francinesccamargo/

Espero que tenham gostado :)
O que vocês acharam desta obra?
Super beijo,
Juliana Lima

Próximo Postagem mais recente Post AnteriorPostagem mais antiga
Página inicial

3 comentários: